sexta-feira, 8 de maio de 2009

Indagado sobre o assunto, Fabiano Pires comenta...

Quando planejamos, utilizamos todos os aspectos relativos a comportamentos e hábitos de consumo, analisamos o meio e a cultura que envolvem nosso público (quais os modelos e valores que estas pessoas apresentam), buscamos analisar os modelos mentais determinantes que devam ser influenciados para se levar à influência da compra e - muitas vezes - ajudar ao consumidor em potencial a perceber que ele já tinha uma necessidade que desconhecia e que a partir daquele momento/informação ele pode satisfazê-la.

As percepções das pessoas são influenciadas de inúmeras formas (desde cores, formas, cheiros, até coisas que podem influenciá-lo de forma subjetiva e inconcientemente, como a comunicação subliminar que é super polêmica).

Marketing é a psicologia do consumo, para entendê-lo em suas causas e assim o poder influenciar através de inúmeras maneiras com ações bem planejadas e executadas com a finalidade de se conseguir gerar um impulso desejado em quem é visado por determinada organização, com um objetivo específico. Mktg é quase sempre influenciar (e até mudar) o comportamento humano e está ligado à comercialização de produtos e serviços, à conscientização e alerta para causas diversas (sociais, ambientais, etc), enfim, a mudar a percepção de "alguém" sobre um aspecto/tema específico. 

Fabiano Pires. Projetista de Softwares

7 Comentários:

Blogger Profa. Gislaine disse...

Puxa, quanto reconhecimento esse projetista dá à Psicologia!!! Que legal !!!

Parabéns pelo excelente trabalho de vocês no blog!!!

Adorei!!!!

5 de junho de 2009 10:26  
Anonymous Sonia e Janaina Psi23 disse...

LIVRO: A DOR DE AMAR – J. D. NASIO

RESUMO

Neste livro, Nasio leva-nos a entrar e explorar a DOR DE AMAR. A causa pode ser por perda (morte), abandono, humilhação entre outras. . . De que forma nosso investimento se fixa em um objeto (pessoa), por nós eleito? Quem é este meu eleito que faz com que eu seja o que eu sou, e sem o qual eu não seria mais o mesmo?É unicamente quando somos ameaçados de perdê-los, ou depois de tê-los perdido, é que a sua ausência revela dolorosamente a profundidade desse enraizamento. Permitimos que o ser amado seja quem ele é? Ou será que criamos uma fantasia de como gostaríamos que ele fosse? A imagem do ser perdido deve ou não ser apagada?

CONVITE À LEITURA

A Psicanálise nos traz muitas indagações e algumas poderão ser encontradas lendo o livro A DOR DE AMAR, portanto não percam esta leitura. Explorarem e busquem entender, como e de que forma tudo acontece. Até que ponto existe este investimento (entrega), qual a importância do vazio e da insatisfação que nos leva ao desejo. Esta é uma fascinante leitura que sem dúvida vocês também se apaixonarão.

18 de junho de 2009 14:33  
Anonymous Sonia e Janaína disse...

GLOSSÁRIO

Dor psíquica – é uma lesão do laço íntimo com o outro, uma dissociação brutal daquilo que é naturalmente chamado a viver junto.

Dor corporal – quando a causa da dor localiza-se no invólucro de proteção do eu que é o corpo.

Eu atravessado pela dor – o eu que sofre a comoção; o eu que observa a sua comoção; o eu que sente a dor, expressão consciente da comoção; o eu que reage a comoção.

Angústia – é o pressentimento de uma dor futura. É a reação a ameaça de uma perda eventual.

Saudade – é a lembrança triste e complacente de uma alegria e de uma dor passadas.

Amor – a premissa insuperável dos nossos sofrimentos.

Dor – é a reação à perda efetiva da pessoa amada.

Movimento de desinvestimento – aspiração súbita da energia que o esvazia. Retirar o excesso de afeto e reposicioná-lo entre outras representações e investi-lo de outra foma.

18 de junho de 2009 14:34  
Anonymous Sonia e Janaína disse...

Movimento de superinvestimento - polarização de toda a energia sobre uma única imagem psíquica.

Luto patológico – a onipresença psíquica do outro morto. Uma lentíssima distribuição de energia psíquica até então concentrada em uma única representação que era dominante e estranha ao eu.

Alucinação do membro fantasma - é um distúrbio que afeta uma pessoa amputada de um braço ou perna. Ela sente de modo tão vivo sensações vindas do seu membro desaparecido, que este lhe parece existir ainda.

Princípio de desprazer/prazer – o psiquismo está constantemente submetido a uma tensão que ele procura descarregar, sem nunca conseguir completamente.

Desprazer – estado permanente de tensão.

Prazer – descarga incompleta e parcial de tensão, prazer parcial.

Desejo – uma tensão desprazerosa vista em movimento, orientada para um alvo ideal, o de chegar ao prazer absoluto.

18 de junho de 2009 14:35  
Anonymous Sonia e Janaína disse...

Carência – um vazio que aspira ao desejo, um pólo organizador do desejo.

Fantasia – a presença real, simbólica e imaginária do amado no inconsciente, com a função de regular a intensidade da força do desejo.

A presença real – é simplesmente a vida no outro, a força de vida que anima e atravessa o seu corpo.

O outro real – é a parte de energia pura, impessoal, que anima a sua pessoa.

A presença simbólica do outro – é um ritmo, um acorde harmonioso entre o seu poder excitante e a minha resposta, entre o seu papel de objeto e a insatisfação que eu sinto.

A presença simbólica do eleito – é um ritmo mais exatamente o compasso pelo qual se regula o ritmo do meu desejo.

A presença imaginária do eleito – resume-se em ser um espelho interior que nos remete as nossas próprias imagens.

18 de junho de 2009 14:35  
Anonymous Sonia e Janaína disse...

Espelho psíquico – fragmentos em pequenos pedaços, sobre os quais se refletem, confundidas imagens do outro e imagens de mim.

Imagem inconsciente do eleito – é um espelho fragmentado e as imagens que nele se refletem são sempre parciais e móveis.



Luto – um lento e penoso processo de desamor em relação ao desaparecido, para amá-lo de outra forma.

Masoquismo – viver plenamente a prova dolorosa.

Angústia de castração – angústia diante da ameaça de perder o ser amado, diante da ameaça de perder o órgão amado.

Angústia moral ou culpa – angústia diante da ameaça de perder o amor do nosso amado, à guisa de castigo por um erro real ou imaginário que eu assumo.

18 de junho de 2009 14:36  
Anonymous Sonia e Janaína disse...

BIBLIOGRAFIA

O livro da dor e do amor – J. D. Nasio, Ed. Jorge Zahar, 1997.

18 de junho de 2009 14:43  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial